quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Queixeiras

Reza a lenda que Louis Spohr (5 de Abril de 1784 – 22 de Outubro de 1859), conceituado violinista, inventou a queixeira (Chin Rest - Do Inglês, Descanso do Queixo) para Violino por volta de 1820. Até então não consigo imaginar como equilibravam o instrumento e tocavam o que já tocavam. Vale salientar que Niccolò Paganini (Gênova, 27 de Outubro de 1782 – Nice, 27 de Maio de1840) é contemporâneo de Spohr. Procurei algumas gravuras de Paganini desta época e não consegui confirmar ou refutar o uso de queixeiras por ele. O fato é que existe a possibilidade disto ter ocorrido. Sobre a Espaleira (Shoulder Rest - Do Inglês, Descanso do Ombro), encontrei informações da criação dela à mesma época da Queixeira. Maiores detalhes não foram encontrados.

Esta foto ao lado, traz alguns modelos. Flesch, Guarneri, Strad, Tekka, Leizig, Hill e Dresden. E aparentemente não se fixa somente nestes modelos de queixeiras. No meu Violino Eagle, veio uma Guarneri e como maior do que meu nariz somente o meu queixo, estou pensando honestamente em tentar um modelo Flesch, Dresden, Hill ou Leipzig. Explico melhor. Depois que fiz o Violinete e modelei uma queixeira nele, fui adaptando a minha anatomia e honestamente, o Violinete está mais confortável de tocar do que o Violino. Sendo até mais leve, uma diferença de mais de 100 gramas entre eles, tem cansado menos.

Encontrei pesquisando na Internet o The Alpert Studio of Voice and Violin, o qual faz sobre encomenda, uma infinidade de modelos e tamanhos específicos adaptáveis a cada instrumentista. A foto do lado vem deles e creio tratar-se de um ponto chave (tanto quanto o tamanho da Espaleira) para o bem tocar do instrumento. Vale a pena conferir para se ter uma ideia do que podemos estar "encomendando" por aqui.


Outra queixeira e com um desenho bem diferente, trata-se da SAS-Vlm, bem interessante pelo seu grampo único para prender no corpo do Violino, do lado esquerdo do botão aonde se prende o rabicho do estandarte. No site tem uma sequencia de fotos, do mesmo Violino com três alternativas para posicionamento da queixeira. Bem interessante.


Concluindo. Conforto e relaxamento é o que devimos sentir ao tocar qualquer instrumento. De nada adianta, e vejo isso muito comumente, alguém dizendo que estudou até a musculatura da mão, braço ou antebraço estar doendo. Penso que a tecnologia está aí para nos auxiliar a atingir mais facilmente nossos objetivos, sejam quais forem. Talvez, e isso é no campo das hipóteses, daqui a um tempo tenha condições de estar testando outras queixeiras e espaleiras para melhorar o encaixe do instrumento no corpo, sinto que ainda não está muito correto e como já testei as alturas em que a espaleira pode se ajustar e consegui acertar o meu ponto, penso que possa haver uma melhora em relação a queixeira. Este testes demandaram tempo e dinheiro. Coisas que estão em falta por aqui. Provavelmente em um futuro próximo estarei fazendo umas queixeiras para testar algumas ideias. Algum dia com certeza, terei a leveza ao tocar que transmite a foto aí em cima.

4 comentários:

  1. TALVEZ ESTE SEU COMENTARIO SOBRE AS QUEIXEIRAS E SOBRE AS ESPALEIRAS VENHA DE ECONTRO COM O QUE ESTOU PASSANDO NÃO TEM DIABO QUE AGUENTE FICAR EQUILIBRANDO O VIOLINO TANTO NO OMBRO QUANTO NO QUEIXO.O QUE FAZER?

    ResponderExcluir
  2. Com o auxílio do Professor e de um espelho, procure observar o que possa estar acontecendo. Tirar as medidas do Violino + Espaleira + Queixeira comparando com a sua medida entre o queixo e o ombro pode mostrar alguma luz no problema. Lembre-se que qualquer dor que aparecer na prática do instrumento tem que ser investigada. Pare imediatamente e verifique o que está acontecendo.
    Bons Estudos!

    ResponderExcluir
  3. Sou professor licenciado em música e violinista amador. Toco desde os 9 anos (tenho 23 agora) e posso dizer que você está absolutamente correto. Tanto a postura completamente relaxada quanto a liberdade de movimento, tão necessária em ambos os braços, são objetivos de uma vida inteira. Parece platônico, idealmente impossível, alcançar 100% de relaxamento em qualquer situação. Porém, quanto mais próximos desse ideal chegamos, melhor tocamos. Existe uma melhor solução para cada pessoa/anatomia. Atualmente, eu uso uma queixeira bem alta da viva-sas, igual a que você publicou acima. Motivo: posso regular a inclinação e manter o violino o mais baixo possível (ajuda nas posições altas). Além disso, conclui que a espaleira tradicional prende os movimentos do braço esquerdo e estou procurando uma que não seja rígida, mais do tipo almofada/acolchoada. Um abraço a todos os colegas que batalham para aperfeiçoar a técnica deste instrumento tão difícil, porém magnífico.

    ResponderExcluir
  4. Bruno, muito obrigado pelo comentário. Extremamente preciso e bem vindo. Se quiser escrever alguma para que publique no Blog, por favor, sinta-se a vontade!
    Obrigado novamente!

    ResponderExcluir

Use com sabedoria!